Um Trono No Céu

Cristo se fez homem para nos salvar dos nossos pecados; Ele morreu na cruz para a plena satisfação do Pai, e hoje somos aceitos pelo Pai por causa da morte de Cristo.

Mas Cristo não ficou na morte, Ele ressuscitou e ascendeu aos céus e hoje vive à destra de Deus, na sala do trono, para interceder pela Igreja.

Por isso acredito firmemente que a oração do céu tem movido as orações da terra – Cristo tem orado por nós. Creio que, hoje, a maior necessidade da Igreja seja o seu ministério de oração.

Deus quer reavivar a oração da Igreja. Ela é um dos aspectos mais importantes da vida de cada crente. No entanto, lutamos constantemente com isso. É um assunto sobre o qual há uma enorme confusão, mesmo entre os eleitos de Deus.

Não consigo pensar em um único texto nas Escrituras que nos dê mais incentivo para orar do que Hebreus 4:16: “Cheguemo-nos, pois, com confiança ao trono da graça, a fim de alcançarmos misericórdia e acharmos graça em ocasião oportuna”.

Observe a expressão “trono da graça”. Esse lugar no Antigo Testamento era “o propiciatório”, mas agora no Novo Testamento é “o trono”. Ao nos aproximarmos de Deus em oração, chegamos no Seu trono. Ninguém se aproxima de Deus sem que se aproxime Dele no trono. Aquele que é o Deus todo-poderoso é aquele grande e glorioso do universo que Se assenta no trono da soberania total e absoluta.

O trono de Deus tem três aspectos:

Ele é o trono de Glória: Oh, quão pouco sei disso! A majestade, a santidade e a terrível presença de Deus estão além da nossa compreensão.

Ele é o trono de justiça: Lá, no seu trono de justiça, o grande trono branco do juízo, todos um dia se levantarão. Todos receberão de Deus o que é justo.

Ele é o trono de graça: Ali está o Homem, Cristo Jesus, o nosso mediador. A este trono eu corajosamente venho e ali os meus pecados confesso, sabendo muito bem que Nele e por Ele vou obter misericórdia e encontrar graça.

William Jay certa vez disse: “Quando Deus decreta leis, é a partir do seu trono; quando Ele administra essas leis, Ele está em um trono de governo; quando Ele julga suas criaturas por essas leis, Ele está em um trono de julgamento, mas quando Ele recebe petições e dispensa favores, Ele está em um trono de graça”.

A ideia de um trono inspira temor, paixão e piedade. Sem a redenção ninguém poderia se aproximar do trono. No entanto, aqui está o trono do Rei dos reis e Senhor dos senhores, que detém o cetro de soberania total, santidade absoluta e justiça imutável. Diante dele, todas as nações dos homens são menos do que nada. Como se atreve então um pecador a vir àquele que é majestade infinita?

Bendito seja o Seu nome, viemos a Ele em seu trono, porque Ele se assenta sobre um trono de graça. Se quisermos vir a Deus, devemos chegar a Ele com reverência, confiança e submissão. A fé, em sua essência e em todos os seus exercícios, é a entrega ao Senhor Deus como nosso grande Rei.

Aquele que é nosso Deus está sentado sobre um “trono de graça.” Este Rei assenta-se em Seu trono de propósito, especificamente para dispensar a graça. É seu desígnio, Seu objetivo em Se mostrar como Rei, e dispensar a graça.

Você se lembrará que esse trono de graça é o mesmo trono que Isaías viu (Is 6). E também é esse trono que João viu em Apocalipse 4 e 5, onde o Cordeiro estava assentado. Deus é glorioso!

Soli Deo Gloria

Fábio Falcão

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2016 Evangelho Inegociável | porAgente Host.
Topo
Siga-nos:             
error: Content is protected !!