Somente Cristo

A mensagem dos reformadores era cristológica e cristocêntrica, Jesus declarou; “Eu sou o caminho a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai senão por mim”, o apostolo Pedro nos ensina, “não há salvação em nenhum outro, porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, por qual importa que sejamos salvos.

Solus Christus é o ensinamento de que Cristo é o único mediador entre Deus e a humanidade, não há salvação, através de nenhum outro, o que significa que a salvação é somente por Cristo, através de Cristo. Não existe outro mediador, entre Deus e a humanidade.

Assim como era a mensagem dos reformadores, deve ser a nossa. Compete-nos escutar de novo estas declarações que se opõem radicalmente a todo intento sincretista ou universalista. Gostemos ou não, o evangelho neotestamentário é inclusivo e exclusivo. Inclui todos que recebem a Jesus Cristo como único mediador entre Deus e os homens, e exclui todos que resistem à graça de Deus. Não nos cabe incluir o que Deus não incluiu, nem excluir o que Ele não excluiu.

Temos uma certeza, somente Cristo salva. Mas, vivemos em uma época que temos muitos cristos a nós apresentado, então, qual Cristo salva?

Vou dizer-lhe definitivamente, não se trata do Cristo dos dogmas de feitura puramente humana, do Cristo da imaginação, do Cristo do folclore, nem do Cristo superstar, não é do Cristo dos poderosos interesses econômico, também não é do Cristo dos ideólogos de última hora, ou dos milagres marcados. O Cristo que salva, é aquele que é revelado nas Escrituras e somente nas escrituras.

O Cristo que encontramos nas Escrituras, é associado eternamente com o Pai e com o Espírito, criador e sustentador dos céus e da terra, o Senhor da vida e da história, o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, o que é, que era e que há de vir, o Todo-poderoso Senhor.

O Cristo revelado nas Escrituras é profeta, sacerdote, histórico, apresentado no tempo e no espaço, na plenitude da história humana, no contexto de uma geografia, de um povo, de uma cultura, de uma sociedade, Ele é o arauto de Deus Pai, intérprete da Divindade, revelador da vontade divina, está sentado à direita do Pai nas alturas.

O Cristo revelado nas Escrituras é o Cristo rei, que está para vir, o Juiz de vivos e de mortos, o Rei dos reis e Senhor dos senhores, o Cristo da renovação total.

A Supremacia de Cristo

“Dando graças ao Pai, que nos tornou dignos de participar da herança dos santos no reino da luz. Pois ele nos resgatou do domínio das trevas e nos transportou para o Reino do seu Filho amado, em quem temos a redenção, a saber, o perdão dos pecados. Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação, pois nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos ou soberanias, poderes ou autoridades; todas as coisas foram criadas por ele e para ele. Ele é antes de todas as coisas, e nele tudo subsiste. Ele é a cabeça do corpo, que é a igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a supremacia”.

Ao lermos esse texto, nos eleva verdadeiramente ao louvor e a adoração ao Cordeiro de Deus. Jesus é exaltado em sua sublimidade, majestade e glória.

Vamos falar da supremacia de Cristo, não estamos dizendo apenas, que Ele foi melhor que outros líderes religiosos, foi moralmente superior a todos os homens e que ele foi o mais sábio. Mas ao falarmos da supremacia de Cristo, estamos evocando sua majestade, sua soberania, sua glória, seu domínio e seu reino.

Jesus Cristo é a verdade, o caminho, a vida, o pão, a porta, a luz, o verbo, a água, a ressurreição, a sabedoria, o príncipe da paz o pai da eternidade, o maravilhoso conselheiro, o cordeiro de Deus, o alfa, o ômega, o princípio, o fim, detentor de todo poder, o único digno de abrir o livro e desatar os sete selos, o cordeiro que foi morto antes da fundação do mundo, aquele que é nosso cordeiro pascal.

Quando falamos de Jesus Cristo, lembramos de seus méritos na cruz do calvário, de seus ofícios de Sacerdote, profeta, rei. Nós fomos salvos e enxertados na videira, a parede da separação foi derrubada, o documento que era contra nós foi anulado. Ao falarmos do filho de Deus, observamos que, ele se humilhou, tornou-se homem.

Calvino ao escrever que, Cristo ao fazer-se filho do homem junto conosco, nos fez filhos de Deus junto consigo, descreve perfeitamente que sem Cristo não teríamos salvação, e aprendemos que Jesus Cristo tem o domínio sobre tudo e sobre todos, dirige, governa a história, criou todas as coisas. Esse mesmo, Cristo glorioso “nasceu por nós, viveu por nós, sofreu por nós, morreu por nós e ressuscitou por nós”.

Não existe nada que possa ser feito, se não for através de Jesus Cristo. Não temos, salvação, direção de vida, entendimento moral, controle nenhum do tempo, não sabemos o futuro e nem prevemos, pois somente Jesus conhece e tem controle sobre todas as coisas.

A centralidade de Cristo é o fundamento da fé protestante, Martinho Lutero disse que Jesus Cristo é o centro e a circunferência da Bíblia.

O que precisamos para nos instruir nas coisas de Deus, a fim de curar a nossa cegueira e ignorância, é Cristo Jesus o profeta. O Catecismo de Heidelberg o chama de “nosso principal Profeta e Mestre, que nos revelou totalmente o conselho secreto e a vontade de Deus a respeito da nossa redenção”.

Jesus é o único que pode revelar o que Deus tem planejado na história desde a fundação do mundo, ensinar e manifesta o real significado das escrituras sagradas.

A Centralidade de Cristo

Paulo ao escrever a carta aos colossenses, ele exortar os crentes em Colossos a serem gratos a Deus.

Seu propósito é afirmar e explicar a supremacia e suficiência em Cristo Jesus. A centralidade de Cristo na vida comunitária da igreja e na vida de cada crente individualmente. Paulo faz oposição a todos os outros poderes e tentativas para obter a salvação.

Calvino nos diz em seu comentário aos colossenses:

“Pois somente Cristo faz com que as demais coisas desvaneçam subitamente. Daí não há nada que Satanás se esforce mais em fazer do que provocar nevoeiros a vista e obscurecer Cristo, porque ele sabe que por esse meio se abre uma via de acesso a todo gênero de falsidade, portanto esse é o único meio tanto de reter como de restaurar, a doutrina pura, colocar Cristo diante dos olhos como ele é com todas as suas bênçãos, para que sua excelência seja realmente percebida.”

A beleza das verdades sobre a supremacia de Cristo é evidenciada, nele todas as coisas devem ser buscadas, nada pode ser encontrado fora de Cristo Jesus.

A Gratidão ao Senhor é voltar os olhos para o passado, e direcionar para o futuro. Nossa vida deve ser um eterno hino de gratidão a Deus, por aquilo que Ele fez, faz e fará por nós.

O apóstolo Paulo no versículo 13 deixa três lições importantes, aos colossenses e para nós hoje.

Existe um império das trevas, qual os homens sem Cristo são escravos, e esse reino está sob a égide de Lúcifer.

O homem não pode libertar-se desse reino de trevas, por sua vontade nunca sairá, pois está sob o domínio de um reino.

Somente Cristo pode libertar a humanidade desse reino de trevas e maldade, somente Cristo pode transporta-nos para o seu Reino.

Nós estávamos sem perspectivas, direção, imersos em trevas, mas pela obra redentora de Cristo Jesus, somos salvos, pois, onde quer que sua graça não esteja, aí só existem trevas.

Para nossa redenção em Cristo, temos três pontos importantes.

Deus nos redimiu como povo seu, propriedade exclusiva dele para louvor da sua glória.

Deus pagou um alto preço pela nossa redenção, ele comprou a igreja com seu próprio sangue.

Deus não pagou esse preço a Lúcifer, mas, a si próprio.

Somente o Deus na forma encarnado poderia realizar a reconciliação da humanidade, um cordeiro, um anjo, nada seria possível se não fosse o Deus vivo, fomos perdoados em seu filho, somente Deus tomando a fraqueza humana poderia levar-nos. Somente o sangue do próprio Deus em Jesus Cristo poderia pagar o preço da nossa libertação, da nossa redenção. O Sacrifícios de animais eram imperfeitos, como encontramos em Hebreus, mas, o sacrifício de Jesus, um sacrifício sangrento, perfeito, imutável.

Ele é a imagem do Deus invisível

Jesus é a imagem perfeita de Deus, Ele diz que quem o vê, também vê ao pai, Calvino escreveu que Jesus faz de certa forma Deus visível a nós.

Ao lidarmos com a palavra empregada para imagem, damos um sentido teológico firme, ressaltando a intensão de Paulo no uso da palavra imagem, temos uma referência paralela em Hebreus 1.3, que ajuda a entendermos, Ele que é o resplendor da sua glória, e a expressão exata do seu Ser, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas;

Observe que a palavra ser aparece em todo o Novo Testamento, na antiga literatura essa palavra era usada como referência a uma gravação em metal, uma marca na pele de animal, uma impressão em barro, um entalhe em madeira e uma imagem estampada em moeda. A palavra Ser, expressa natureza, pessoa ou essência. Cristo é a impressão perfeita, representação exata da natureza, da essência no tempo e espaço de Deus.

Conclusão

Observamos que a salvação é através de Jesus Cristo, não importa o quanto nos esforcemos, nunca alcançaremos a salvação através de nossos esforços, nunca satisfaremos a Deus. Nunca cumpriremos as condições para salvação, mas, Cristo as cumpriu perfeitamente. Em Romanos 5.19 diz: “por meio da obediência de um só, muitos se tornarão justos”. Ainda em Romanos 5.10 nos diz: “nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho”.

Não há outra maneira de entrar na presença de Deus a não ser por meio de Cristo Jesus. O sacrifício de Jesus aconteceu apenas uma vez, mas ele ainda continua sendo nosso grande Sumo Sacerdote, nossas oração, adoração e louvor são feitos aceitáveis a Deus, através de Cristo Jesus somente. Não existe nenhum outro intermediador entre os homens e Deus, a não ser Jesus Cristo.

Nos lugares celestiais, ele continua sendo nosso constante Intercessor e Advogado. Por isso Paulo declara, que a glória deve ser dada a Deus “por meio de Jesus Cristo pelos séculos dos séculos. O gozo de achegarmos a Deus pode crescer apenas por uma confiança profunda nele como nosso sacrifício e intercessor.

Cristo é o Rei, que reina sobre todas as coisas. Ele reina sobre sua Igreja por meio de seu Espírito Santo.

Quero encerrar concordando com João Calvino quando ele diz, “Nós podemos passar pacientemente por esta vida com sua miséria, frieza, desprezo, injúrias e outros problemas, mas, satisfeitos com uma coisa. O nosso Rei nunca nos deixará desamparados, mas suprirá as nossas necessidades, até que, ao terminar nossa luta, sejamos chamados para o triunfo”.

Podemos crescer na vida cristã apenas se vivermos obedientemente sob o domínio de Jesus Cristo e pelo seu poder.

Aplicação

O texto nos leva a edificantes aplicações em nossa vida cristã.

Primeiro, devemos crer e compreender que Cristo é supremo, soberano Deus em nossas vidas.

Segundo, Cristo é suficiente para nossa vida, sua vida em nós é o que temos de mais precioso.

Terceiro, ele tudo criou, por ele e para ele são todas as coisas, nós devemos viver para louvor de sua glória.

“Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.

Cristiam Matos

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2016 Evangelho Inegociável | porAgente Host.
Topo
Siga-nos:             
error: Content is protected !!