galo

Quantos de nós vivemos a negar o Cristo, Cristo? Mas que Cristo?

Chama atenção nossa o apóstolo Pedro e sua audácia ao negar quem ele realmente era, depois de tudo que tinha presenciado, tocado e feito com o Mestre.

Ele em suas palavras, ao ser reconhecido as vésperas da crucificação, disse: “Eu não o conheço”. Logo mais adiante afirma: “Não conheço esse homem de quem falais!(Mc.14.68,71).

Chama atenção a reação de Pedro, contudo quantos entre nós, batizados, religiosos, firmes em um trabalho ministerial seríamos mais francos ao afirmar tais coisas.

Muitos de nós, possuímos cartilhas de discipulado, temos livros muito bem aprendidos, conhecemos grandes homens e pregações que exaltam a soberania e o amor de Deus, porém nenhuma dessas verdades ecoa na nossa vida A PONTO, daquilo que cremos com a nossa mente penetrar no nosso coração, adotando hoje como vida, apenas aquela QUE CRISTO é quem “respira” no nosso eu.

O que estranho hoje é a dificuldade que a igreja adota para demonstrar que tem vivido longe da realidade que Cristo propõe em sua palavra, a medida que dificultam ou se fecham para trabalhos onde o alvo é a pregação, evangelização através da sã doutrina. Para isso, claro, temos sempre uma boa explicação: o sistema.

Seria mais franco a elas, que quando cobradas, respondessem, com a covardia com que Pedro respondeu; mas que pelo menos responderiam com verdades: Nós não conhecemos esse Cristo de quem tanto falam, nós não sabemos que ele é, por isso praguejo e juro que não sei dessas verdades de Deus, assim como Pedro o fez.

Quem sabe, através de uma resposta sincera, vindo de um reconhecimento, elas sem lembrem como Cristo a alertou dos perigos que a IGREJA sofreria caso se deixassem ser dominadas pelo mundo, onde a quantidade  (dízimos, pessoas etc) vale mais que o correto relacionamento entre os irmãos, a comunhão dos mesmos, o amor às vidas que ainda estão perdidas e a unidade do corpo e o aperfeiçoamento da fé dos santos. Quão triste ver a terra em que é mais fácil espalhar mentiras, mesmo que descabidas, que a verdade que salva e liberta.

Quem sabe se a igreja tivesse a resposta sincera e covarde de Pedro o “galo também cantasse” e vendo o erro cometido desataria a chorar, choro de arrependimento, choro de lamento, choro pela falta do conhecimento, quem sabe, quem sabe…

Tomara que o galo cante!!!

É necessário que corações sejam inflamados;

É urgente a necessidade de pés que estejam em chamas.

Continuarei confiando em Deus, até o fim!

Nayssa Nara Barcelos

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2016 Evangelho Inegociável | porAgente Host.
Topo
Siga-nos:             
error: Content is protected !!