Os Pilares da Igreja de Cristo (1)

Devemos sempre ter em mente que a igreja começou como uma comunidade de homens e mulheres redimidos espiritualmente que vieram ao conhecimento de Cristo e desejaram nada mais e nada menos que isso.

Faremos bem em lembrar que a igreja pertence a Deus, e é Noiva de Cristo. Não temos autoridade para fazer o que parece certo a nossos próprios olhos. Temos de nos submeter ao senhorio de Cristo e cuidar da igreja conforme sua palavra.[1]

Claro que como qualquer comunidade que se opõem contra o estado é alvo de perseguições, com a igreja não foi diferente. Após a morte e ressurreição de Cristo, cerca de 50 milhões de pessoas foram mortas por professar fé em Jesus, afirmarem que Ele era o filho de Deus, Messias prometido e Rei!

As perseguições ferrenhas contra a igreja não fizeram ela recuar, pelo contrário, fizeram avançar. Morrer como mártires não causou medo nos cristãos, como disse Tertuliano: “O sangue dos cristãos é semente.” Em tempos de perseguições a igreja continuou avançando.

Uma das coisas mais belas quando olhamos para a igreja de Cristo durante os anos, é vermos que eles perseveraram em guardar o que lhes fora ensinado por Cristo e transmitido pelos apóstolos.

As escrituram dizem que eles perseveraram, ou seja, se tinham que perseverar, logo, era algo difícil de se manter. Por isso eles perseveravam. Olhemos com mais atenção para o que podemos entender como os quatro pilares da igreja primitiva:

  • Doutrina dos apóstolos: Era basicamente passar a diante tudo que nosso Senhor Jesus Cristo havia ensinado, mas é claro que isso não seria fácil, pois tudo que Cristo oferecia era um caminho árduo para se seguir, uma porta estreita para se passar e o ápice da fé cristã; uma Cruz para se morrer. A igreja sofreu ferrenhas oposições por conta disso, e Paulo deixou algo registrado que mostra isso: “Rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissenções e escândalos contra a doutrina que aprendestes, desviai-vos deles” (Rm 16.17). Ou seja, Paulo sabia que lobos cruéis, se infiltrariam no meio do povo de Deus, para fazer com que a igreja abandonasse os ensinos de Cristo, mas Paulo aconselha que todos se desviassem deles e também vigiassem. (Atos 20.28-31).
  • Comunhão: As perseguições que a igreja sofria, serviam para abalar a comunhão dos irmãos de uma forma geral, e este ato de comungar um com outro, só podia ser preservado de uma forma que as Escrituras também nos apontam e também estava relacionado com os ensinos de Cristo: “A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais; cantando ao Senhor com graça em vosso coração.” Fazendo isso, a comunhão seria mantida entre eles, e de certa forma, todos se comungariam entre si.
  • Partir do pão: Um ato que o Senhor nos ordenou fazer, em memória dEle. Infelizmente muitas igreja já abandonaram o ato de ceiar entre irmãos. O ato de partir o pão nos leva a refletir sobre o sacrifício vicário do Senhor por nós. Mas não celebramos porque ele morreu (e tudo acabou, pois não acabou) e sim porque ele ressuscitou. O partir do pão era algo que os discípulos preservaram e as escrituras nos afirmam isso: “E no primeiro dia da semana, ajuntando-se os discípulos para o partir do pão…” (Atos 20.7)
  • Orações: Assim como Jesus nos deu o exemplo da oração, e constantemente nas escrituras nós vemos a expressão que Cristo se retirava para orar. A igreja primitiva sabia que isso era algo que nunca poderiam abandonar, pois essa é a nossa forma de estar em contato com Deus. A igreja sabia e conhecia o poder da oração, e isto era algo que eles não abriam mão – e não abriram. As escrituram nos relatam que enquanto Pedro estava encarcerado por ordem de Herodes a Igreja estava fazendo contínua oração. (Atos 11.5) Não adiantava querer se rebelar contra o governo, a igreja sabia disso, por isso recorriam ao Pai da melhor forma possível: em oração.

A beleza da igreja está em sua busca por fidelidade ao noivo. Em perseverar em tudo que Cristo nos deixou. Como disse R. C. Sproul “A igreja antiga estava disposta a morrer por causa da fé; A Igreja moderna a negocia”. Como igreja de Cristo devemos sempre perseverar em tudo que ele nos deixou, e nos atentarmos para nunca abandonarmos, nem que seja por segundos, o que Cristo através de sua palavra nos revelou.

A Igreja sempre se propôs a se manter neste caminho, seguindo tudo que Cristo nos deixou, nada de invenções humanas, apenas o que Cristo nos ordenou. É importante sempre mantermos na simplicidade do evangelho, passos simples de uma Noiva em direção ao seu noivo; doutrina dos apóstolos, comunhão, partir do pão e orações.

Que Deus em Cristo nos abençoe, e nos leve a entender que ser a Noiva e Igreja de Cristo, é também nos estimular uns aos outro ao amor e às boas obras!

Referências:

(1) O  chamado ao evangelho e a verdadeira conversão – Paul Washer

Hugo Washington

  1. 11 de junho de 2016

    Sobre o tópico partir do pao, tem pessoas que acham que isso podemos fazer em casa, nao necessariamente na igreja.Oq vcs acham sobre isto?

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2016 Evangelho Inegociável | porAgente Host.
Topo
Siga-nos:             
error: Content is protected !!