O Privilégio de ter Bons Pastores

Se observarmos o contexto brasileiro em que nós, como igreja, estamos, perceberemos que de tão perto o caos nos rodeia, e isso tange as estruturas eclesiásticas. Mas também é verdade que temos muitos remanescentes, pessoas que genuinamente são movidas pelo Senhor a executar cabalmente a obra a que foram designadas, e dirijo este texto a agradecer por aqueles que dedicam suas vidas em prol de outras vidas: os pastores.

Assim como um aluno fica feliz diante de uma aula por causa da ótima explicação de um professor, assim como um paciente fica feliz quando é bem atendido diante de um médico, assim é um membro quando está diante de um pastor empenhado em sua vocação.

Enquanto interlocutores, costumamos sempre refletir partindo do nosso próprio local discursivo, mas sempre que a igreja for o contexto, lembre-se de refletir sobre o local discursivo do outro. É provável que enquanto membro de uma instituição religiosa, você possa ter muitos anseios e demandas, mas imagine que o teu pastor também os têm. Ele não é constituído de ferro, somos feitos da mesma matéria, ao olhar para ele tenha a mesma sensibilidade que gostaria que tivessem com você. A vida eclesiástica envolve cooperação mútua, membros e pastores trabalham para um mesmo Reino, isso envolve também sentimentos, pois o amor pelo Pai e por Sua obra nos une.

Mas o que seria o privilégio de ter um bom pastor? Na verdade um pastor que tem a bíblia nas mãos, na mente e no que profere já é motivo de regozijo! Você pode me dizer que isso é mais do que obrigação, e de fato é indispensável, mas considerando a realidade de muitos locais, onde pessoas vão a templos e retornam vazias, você saberá agradecer quando estiver diante de alguém que de fato pregue a palavra. Aprendi que o que mantem uma ovelha no pasto, não é o cerco e sim o alimento. Anele para estar pertinho daqueles que emitem as palavras de vida eterna.

Em 1998, aos 5 anos, conheci um pastor que apresentou o evangelho à minha família, meus pais e eu nos convertemos naquele ano; ele ensinava no púlpito e nos inspirava pelo exemplo. Foram dois anos aprendendo com ele, até que uma igreja da mesma denominação abriu mais perto da nossa casa. Ainda lembro desse pastor com muito respeito; até hoje ele prega com a mesma intensidade, como se estivesse diante de Jesus pela primeira vez. E sou grata a Deus por isso, porque sei que existem muitos pastores aqui no Nordeste, em outras regiões do país e também no mundo que estão resistindo, subsistindo, sendo resilientes, fiéis às Escrituras. Agradeço a Deus também porque no passado, muitos pastores abriram mão de suas próprias vidas para que o evangelho chegasse até nós.

Tive a oportunidade de conhecer muitos pastores, e vejo que muitas vezes se sentem como se um fardo muito pesado estivesse posto sobre seus ombros. Suas famílias, sua esposa, sua casa, seu tempo, seus dias, seus trabalhos, tudo está relacionado ao seu ministério, e dificilmente descansam plenamente.

Há aqueles que têm escrito livros e artigos, a fim de conscientizar outras vidas, há aqueles que estão no sertão orando ao Pai por chuva, há aqueles que estão perto dos indígenas orando para conseguir transmitir o evangelho, há aqueles que doam seus recursos para ajudar alguém e não anunciam, há aqueles que estão em cidades e lidam com uma geração relativista, há aqueles que evangelizam em diversos locais, e há aqueles que estão em outros países onde pregar não é permitido; vocês não estão sozinhos. Oremos por eles!

Meus pastores não sabiam que muitas vezes cheguei à igreja cheia de dúvidas, e a exposição da palavra as sanou, coisas que só Deus sabia. Meus pastores não sabiam, mas o simples fato deles se esforçarem foi para mim, e tem sido, inspiração e para minha família na fé.

‘’ prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina. Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina, pelo contrário, cerca-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como se sentindo coceiras nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas. Tu porém, sê sóbrio em todas as coisas, suporta as aflições, faze o trabalho de um evangelista, cumpre cabalmente o teu ministério.’’ (1 Timóteo 4: 2-5)

Aos meus pastores, aos pastores que significaram minha jornada, ao meu pai e ao pastor que acreditou no trabalho desse site, aos pastores que estão lendo e por muitos outros, quero agradecer por vossas vidas!

Em Cristo, Lariane.

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2016 Evangelho Inegociável | porAgente Host.
Topo
Siga-nos:             
error: Content is protected !!