O Custo Do Seu Discipulado – Dietrich Bonhoeffer (1906–45)

Em 20 de Julho de 1944, o plano Valquíria para assassinar Hitler fracassou. No dia seguinte, Dietrich Bonhoeffer escreveu uma carta a Eberhard Bethge, seu ex-aluno e futuro biógrafo. Bonhoeffer estava na prisão desde 5 de abril de 1943. Na esteira do fracasso do plano Valquíria, Hitler liderou uma repressão ao movimento de resistência. Centenas foram imediatamente presos; muitos no movimento já detidos foram transferidos para prisões de maior segurança. Muitos foram colocados em uma rota rápida para sua execução. Bonhoeffer era um deles.

Mas em 21 de Julho de 1944, Bonhoeffer escreveu sobre uma conversa que teve na América em 1930. Ele estava nos Estados Unidos para aprender sobre desenvolvimentos teológicos. Ele passaria o ano no patentemente liberal Union Theological Seminary em Nova York. Ele achou isso ruim. “Sem teologia aqui”, relatou ele de volta à Alemanha. Mas ele encontrou queridos amigos e encontrou uma aventura em uma viagem de Nova York para a Cidade do México.

Em algum lugar ao longo do caminho, enquanto eles acampavam em tendas e se sentavam ao redor de uma fogueira, eles se perguntavam o que queriam fazer com suas vidas. Um deles, um francês chamado Lasserre, disse que queria ser um santo. Bonhoeffer continua a história em sua carta a Bethge no dia seguinte ao plano fracassado:

“Na época, fiquei muito impressionado, mas discordei dele e disse, com efeito, que gostaria de aprender a ter fé. . . . Descobri mais tarde, e ainda estou descobrindo até o momento, que é apenas vivendo completamente neste mundo que se aprende a ter fé. É preciso abandonar completamente qualquer tentativa de fazer algo de si mesmo, seja um santo, um pecador convertido ou um homem da igreja (o chamado tipo sacerdotal!), um homem justo ou injusto, um homem doente ou um homem saudável. Por essa mundanidade, quero dizer viver sem reservas nos deveres, problemas, sucessos e fracassos da vida, experiências e perplexidades.”

Quando refletimos sobre essa lista nessa última sentença, há apenas uma palavra de que gostamos, “sucessos”. Nós tendemos a evitar as outras coisas mencionadas por Bonhoeffer, mas essas coisas são parte da vida, da “mundanidade”. Bonhoeffer acrescenta então que, vivendo assim a vida, “nos lançamos completamente nos braços de Deus, levando a sério, não nossos próprios sofrimentos, mas aqueles do Deus-homem no mundo – observando Cristo no Getsêmani. Isso, eu acho, é fé ”.

Bonhoeffer aprendeu isso em um curto espaço de tempo em uma vida muito curta. Ele morreu em seu trigésimo nono ano. Enquanto a maioria das pessoas está apenas começando a deixar sua marca e a oferecer seu pensamento maduro quando completam quarenta anos, Bonhoeffer nunca chegou a esse marco.

Jovem Professor em Berlim

Ele nasceu em uma família acadêmica. Seu pai, Karl Bonhoeffer, era um renomado psiquiatra da Universidade de Berlim. Um de seus irmãos, um químico, iria descobrir os isômeros do hidrogênio. A casa da família tinha uma grande biblioteca, um jardim de inverno e paredes forradas com retratos a óleo muito impressionantes de seus antecessores. Dietrich se destacou como estudante. Ele fez seu primeiro doutorado quando completou vinte e um anos e um segundo doutorado três anos depois. Ele serviu na academia, inicialmente. Mas ele amava a igreja.

Como jovem professor na Universidade de Berlim, ele notou um pedido por um professor de aulas de crisma em uma igreja luterana em Berlim, do outro lado das trilhas aonde ficava a casa da família Bonhoeffer. Eram garotos rudes, que já haviam mastigado alguns poucos professores em potencial. O pastor esperava conseguir um seminarista idealista que não tivesse o melhor senso de não fazer isso. Em vez disso, o pastor e essa banda de rufiões da pré-adolescência contrataram um professor de teologia em óculos de aro de metal e ternos sob medida.

Em poucos minutos, Bonhoeffer os conquistara. Quando chegou o dia da crisma deles – um dia que o pastor quase tinha certeza de que nunca chegaria -, Bonhoeffer levou todos ao seu alfaiate e levou ternos a todos. Ele era o tipo de professor que logo tiraria uma “bola de futebol” e iria ao campo de futebol com seus alunos enquanto discursava para eles. Durante o tempo que passou na América, ele recebeu vários discos de blues e espirituais negros. Depois dos jogos de futebol, ele tocava os discos com seus alunos e conversava sobre teologia. Para Bonhoeffer, a educação era discipulado.

Vida Juntos

Quando a Igreja Luterana Alemã endossou o partido nazista e se tornou o Reich Kirche (Igreja do Reich), Bonhoeffer rapidamente se tornou um líder entre as Confessing Church (Igreja Confessante), apesar de sua pouca idade. Ele perdeu sua licença para lecionar na Universidade de Berlim, e seus livros foram colocados na lista de livros proibidos. Ele foi nomeado diretor de um dos cinco seminários da Igreja Confessante. Neste seminário em Finkenwalde, ele ensinou a seus alunos a Bíblia e a teologia, e também ensinou-os a orar. Bonhoeffer viu essas três coisas – estudos bíblicos, teologia e oração – como os elementos essenciais do ofício pastoral.

Eberhard Bethge, um de seus alunos em Finkenwalde, exemplifica o que foi ensinado por Bonhoeffer. Bethge escreveu: “Como sou pregador da palavra, não posso expor as Escrituras a menos que eu a deixe falar comigo todos os dias. Usarei mal a palavra em meu ofício se não continuar meditando nela em oração. ”

A Gestapo descobriu sobre o seminário em Finkenwalde e o fechou. Bonheffer passou o ano seguinte na casa de seus pais. Ele escreveu Vida em Comunhão (Life Together), lembrando o que ele praticava e o que ele havia aprendido em Finkenwalde, e visitou seus alunos e os manteve na tarefa com seus estudos e ministério.

Cartas da Prisão

Os próximos anos da vida de Bonhoeffer, de 1940 a 1943, são debatidos. Ele se juntou ao Abwehr por insistência de seu cunhado. Mas não parece que ele seja na verdade muito espião. Ele usou sua posição para viajar livremente pelo país – uma maneira de acompanhar seus alunos e acompanhar as igrejas que eles estavam pastoreando. Depois vem o episódio contestado de sua vida, quando ele se tornou parte de um grupo que procurava assassinar Hitler. O papel de Bonhoeffer não era o de fornecer estratégia – que era fornecida por outros oficiais altamente destacados de agências militares e de inteligência.

Bonhoeffer parece ser o pastor na sala, aquele que dá a bênção sobre o empreendimento que estavam prestes a embarcar. Bonhoeffer lutou com isso, imaginando se o que eles estavam fazendo estava certo e não presumindo que fosse correto e justo. Era guerra, e esses alemães estavam convencidos de que Hitler era um inimigo do Estado alemão e do povo alemão, assim como das outras nações, mergulhadas na guerra. Seja qual for a contribuição de Bonhoeffer para esse grupo, ele não fez isso de forma presuntiva ou precipitada.

Os planos, como Valquíria, todos falharam. Em 5 de abril de 1943, Bonhoeffer foi preso e enviado para a prisão de Tegel. Nos dois anos seguintes, ele viveria em uma cela. Ele falou de perder o ouvir dos pássaros. Ele sentia falta de ver cores. No início do seu tempo em Tegel, ele se desesperou por sua vida. Foi também em Tegel que Bonhoeffer escreveu sobre viver uma vida “mundana”. Foi em Tegel que ele falou de aprender a ter fé nos fracassos, dificuldades e perplexidades da vida. Em Tegel, ele escreveu poesia. Ele escreveu um romance. Ele escreveu sermões para casamentos e batismos – eles foram contrabandeados e lidos por outras pessoas nessas ocasiões. O tempo de Bonhoeffer em Tegel rendeu seu texto clássico Resistência e Submissão (Letters and Papers from Prison).

Em uma dessas cartas, em 27 de Junho de 1944, ele escreveu: “Este mundo não deve ser prematuramente descartado”. Ele estava em uma cela de prisão nazista enquanto Hitler desencadeava loucura sobre o mundo, e Bonhoeffer escreveu sobre ser um cristão no mundo, no tempo e no lugar em que Deus o havia colocado.

Custo do Discipulado

Em 1936, Bonhoeffer publicou Nachfolge. Seria mais tarde publicado em português como Discipulado (The Cost of Discipleship). Nele ele declara: “Quando Cristo chama um homem, ele pede que ele venha e morra”.

Em Cristo, estamos mortos. O velho eu e o velho caminho estão mortos. E, em Cristo, estamos vivos. Depois do plano Valquíria, Bonhoeffer poderia escrever simplesmente: “Jesus está vivo. Eu tenho esperança. Estar em Cristo significa que não estamos unidos a ele somente em sua morte; Estamos unidos a ele em sua vida. Bonhoeffer certa vez pregou um sermão em Colossenses 3:1–4, onde Paulo nos lembra que estamos mortos, que estamos vivos em Cristo e que nossas vidas estão “escondidas com Cristo em Deus” (Colossenses 3:3). Bonhoeffer observa: “Nossa verdadeira vida está escondida – mas está firmemente ancorada na eternidade”.

Enquanto estava na prisão, Bonhoeffer trabalhou no que seria sua magnum opus, Ética (Ethics). Ele foi incapaz de terminar, embora tenha escrito a maior parte. Foi publicado postumamente. Neste livro, Bonhoeffer falou da vida cristã como a Christusleben, a vida em Cristo. Isso é verdadeiramente vivo, sendo verdadeiramente o que Deus planejou que fôssemos. Enviando-nos para a estratosfera, Bonhoeffer escreve: “Assim o céu está rasgado acima de nós, seres humanos, e a alegre mensagem da salvação de Deus em Jesus Cristo soa do céu à terra como um grito de alegria. Eu acredito, e acreditando eu recebo a Cristo. Eu tenho tudo. Eu vivo diante de Deus.”

Se Bonhoeffer foi justificado em suas ações de conspirar para assassinar Hitler ou não, ou se sua morte é uma execução ou um martírio, uma coisa é certa. O contentamento de Bonhoeffer, até mesmo alegria, enquanto estava em uma cela de prisão nazista, estava enraizado na realidade de que ele estava morto e que ele foi ressuscitado para uma nova vida em Cristo. Ele poderia viver no mundo e para mundo, porque ele viveu da cruz. Ele viveu de sua identidade em Cristo.

Início da Vida

Bonhoeffer foi transferido da prisão de Tegel para a prisão da masmorra sob o quartel-general da Gestapo em setembro de 1944, no momento em que as Forças Aliadas intensificaram o bombardeio contra Berlim. Quase todas as noites, Bonhoeffer ouvia o apito das bombas, sentia as fundações tremerem e imaginava se essa seria sua última noite na Terra. No fluxo de cartas, que ele conseguiu contrabandear, pediu repetidamente oração. Em Vida em Comunhão, publicado em 1938, ele falou sobre a oração de intercessão como um dos doces dons que Deus nos dá. Deus nos dá o dom de orar pelos outros. Bonhoeffer agarrou-se a essas preces como se sua própria vida dependesse delas.

Em 7 de fevereiro de 1945, no dia seguinte ao seu trigésimo nono aniversário, Bonhoeffer foi transferido para o Campo de Concentração de Buchenwald, depois para Regensburg. Em 8 de abril, ele e outros prisioneiros foram transportados para Flossenburg. Ao longo do caminho, ele pregou um sermão. Eles estavam em bancos erigidos nas costas de um caminhão de transporte. Grandes telas foram puxadas sobre a armação de aço. Bonhoeffer e os outros estavam emaciados, meras sombras de seus antigos eus. E Bonhoeffer pregou um sermão para eles. Ele os guiou no Pai Nosso e eles cantaram um hino.

No dia seguinte, 9 de abril de 1945, Dietrich Bonhoeffer foi enforcado em uma laje de concreto no Campo de Concentração de Flossenburg. Suas palavras finais foram estas: “Isto é para mim o fim, o começo da vida”.

Stephen Nichols é presidente do Reformation Bible College e diretor acadêmico do Ligonier Ministries.

Traduzido por Felipe Barnabé

Fonte: The Cost of His Discipleship

Fonte: Monergismo

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2016 Evangelho Inegociável | porAgente Host.
Topo
Siga-nos:             
error: Content is protected !!