Mães Nos Mostram Mais De Deus

Por Tayler Holley

Eu tive dezenas de mães. Isso pode fazer levantar algumas sobrancelhas ao redor da cidade, mas não deve nos surpreender como cristãos. Afinal, Jesus nos prometeu muito ao segui-lo (Marcos 10: 29-30). Claramente, a maternidade é mais do que apenas dar à luz fisicamente.

No meu caso, a mãe principal da minha vida tem sido a minha mãe biológica. Pode ser fácil romantizar a maternidade, mas apenas uma pessoa olhou por mim quando eu era pequeno e fez o melhor sanduíche de geleia que já foi feito – quando quebrei meu braço – e nós ainda conversamos sobre aquele sanduíche, nunca feito novamente. As histórias do amor de minha mãe preencherão os anais na biblioteca de Deus de fidelidade não reconhecida, mesmo que a verdadeira maternidade seja mais ampla do que apenas isso.

A glória de Deus, em muitas mães

A maternidade reflete a glória de Deus. É a forma particularmente feminina de santidade que as mulheres de fé buscam. Quando Paulo diz que as mulheres são “salvas através do parto” (1 Timóteo 2:15), ele não quer dizer que as mulheres podem ganhar a sua salvação ao dar à luz, mas que Deus é capaz de salvá-las, mesmo que elas sofram a parte feminina da maldição do pecado (Gênesis 3:16). A gestação simboliza o papel criacionista das mulheres porque a maternidade é o exemplo mais claro da diferença entre homens e mulheres.

Quando eu era criança, uma mulher de meia-idade deslizou um canto rasgado do boletim da igreja em minha mão com uma referência bíblica apontada sobre ele. Ela disse que era a sua passagem favorita e que eu poderia gostar também. E lembro-me de uma jovem com um quadro de feltro ensinando numa aula de escola dominical sobre o batismo, e foi aí que aprendi o que o batismo significava. Quando eu estava na faculdade, uma senhora mais velha na minha igreja me dava abraços semanais e me dizia que ela estava orando por mim – essas orações, por vezes, eram acompanhadas de brownies.

As mães estão em toda parte, se nós temos olhos para vê-las. A maternidade é tecida no próprio tecido da criação, e Deus diz que toda a criação fala sobre a sua glória (Salmos 19: 1, Romanos 1:20). O que, então, Deus tem a nos ensinar sobre a sua glória através da maternidade?

As Mães Dão Vida Nova

Quando Deus criou homens e mulheres à sua imagem, ele deu às mulheres uma maneira peculiar de mostrar sua imagem. As mulheres, como Deus, têm o dom de amor regenerativo. Uma mulher tem a capacidade de amar um homem de tal forma que pode transformá-lo em um ser humano. Na verdade, as mulheres são o tipo de pessoas de quem outras pessoas saem. As mães têm um tipo de poder encarnacional. Elas encarnam o amor conjugal em uma pessoa humana. Em outras palavras, as mulheres manifestam o glorioso amor de Deus através da criação, através do nascimento.

O presente único da geração que foi dada às mulheres é precisamente o que foi danificado na queda. Agora, há dor na gravidez (Gênesis 3:16). A dor do nascimento mancha o dom da maternidade. Mas a mancha abre caminho para uma nova possibilidade: a redenção. Após a queda, as mulheres ainda podem gerar vida humana, mas devem fazê-lo abraçando sua maldição. As mães abraçam a dor da sua natureza caída, abraçam a morte, e dessa morte nasce uma vida. Em cada nascimento, uma mãe se dá por causa do filho. Assim, por causa da queda, a maternidade não só reflete o amor gerador de Deus na criação, mas também o amor regenerador de Cristo na cruz.

As mães abraçam a maldição para que possamos nascer, e Cristo abraçou a maldição para que possamos renascer.

A maternidade também reflete as glórias da Santa submissão. Na anatomia do sexo, as mulheres são chamadas a uma espécie de submissão, a fim de ser mãe. O homem é o fazendeiro que dispersa sua semente, enquanto sua esposa é o terreno fértil que abraça, aceita, e cresce a semente. Assim, é apropriado que as mães sejam chamadas a receber e recebam a iniciativa piedosa de seus maridos (chamado “submissão”, Efésios 5:22-24).

As mães são chamadas a mostrar a todas as pessoas, incluindo os homens, como devem agir em relação a Deus. Os seres humanos submetem-se à realeza amorosa de Cristo, e a vida eterna é plantada em nossos corações. Porque Eva não se submeteu a Deus no jardim, todo o mundo caiu no caos. Maria se submeteu a Deus, e todo o mundo foi salvo através da semente plantada nela. Todas as mães contam a história do evangelho.

Além disso, a maternidade reflete a natureza nutritiva de Deus. Quando uma mulher tem uma criança, ela o nutre e cuida dele, como sua fonte de vida fora do útero. Quando uma pessoa nasce de cima, Deus não deixa esse cristão para si, mas cuida dele e o nutre como uma mãe, e Ele faz isso através de sua Igreja. É por isso que a Igreja é muitas vezes chamada nossa mãe (Gálatas 4:26; Apocalipse 12: 1-17). Nascemos nela através do nosso batismo; Ela nos nutre do leite da palavra de Deus e nos alimenta do próprio corpo e sangue de Cristo. A mãe de Provérbios 31: 10-31 fornece comida, faz roupas e lida com finanças.

Em outras palavras, toda a casa desmoronaria sem a mãe. Sem mães, estaríamos nus, com fome e medo. Então, as mães são uma imagem visual do cuidado tangível de Deus para nós através da igreja.

Mães têm fé, não necessariamente crianças

As mães tomam os sentimentos abstratos do amor e encarnam esse amor fazendo uma criança – e ainda assim eu vi mulheres que estão lutando pela dor da infertilidade e ainda encarnam esse mesmo amor através de uma boa refeição, uma casa hospitaleira ou um duro dia de trabalho. Esses trabalhos são ainda mais especiais porque são criados por sofrimento.

Da mesma forma, uma mulher solteira pode nunca nutrir os descendentes biológicos, mas pode se derramar nas vidas dos jovens da igreja, como por exemplo, andar com um bando de crianças indisciplinadas no carro – um tipo de Mary Poppins da cristandade. Em muitas dessas mulheres, vi a mãe de Provérbios 31, que nunca deixa um irmão cristão passar fome, trabalha duro para vestir os necessitados e cuida para assegurar que a vida da igreja funcione sem problemas. Assim, mesmo uma mulher sem descendência biológica pode ter filhos cristãos que “se levantam e a chamam de abençoada” (Provérbios 31:28). A igreja está cheia de filhos como eu, que precisam de muitas mães.

As mães nos mostram Deus

As mães são um presente para toda a humanidade porque nos mostram como Deus é. Em uma mãe amorosa, vemos Cristo, que anseia reunir seu povo, como uma mãe galinha reunindo seus filhotes sobre suas asas (Mateus 23:37).

Minha mãe é um dos meus maiores heróis, e eu sou o fruto de seu trabalho e amor. Eu vi nela o Deus que me dá a coragem de me submeter ao seu reinado e a força para me doar pelo bem dos outros.

Traduzido e adaptado por Camila Plens

Original: Mothers Show Us More of God

Extraído de www.desiringgod.org

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2016 Evangelho Inegociável | porAgente Host.
Topo
Siga-nos:             
error: Content is protected !!