-Vamos Ficar- -  Uma Oração para Homens Jovens e Suicidas

“Vamos Ficar” –  Uma Oração para Homens Jovens e Suicidas

Nós, homens, nos sentimos aliviados com ilusões de força pessoal . Com fantasias de controle. Delírios digitais. Devaneios de se tornar titãs em nosso próprio mundo – respeitado, amado, honrado, desejado. “Muito bem, servo bom e fiel” é um rodapé para o mais carnal objetivo: os homens querem ser ele, as mulheres querem estar com ele (Mateus 25:21).

Nós homens sabemos que nunca teremos a força do super homem. Nunca seremos tão gentis quanto Bruce Wayne. Mas a maioria de nós escolheria ser um importante vilão ao invés de um figurante à margem e um cidadão comum . Parte de nós escolheria ser Bane ou Lex Luthor, que tem um nome, que tem um papel, cujo propósito é impresso à força no mundo, sobre um inocente sem rosto que precisa ser resgatado e cuja história nunca é contada.

Queremos ser heróis de nossa própria história e das histórias dos outros. Para homens do século 21 – um tempo onde heroísmo é medido por popularidade e admiração, publicamente quantificados por seguidores de mídia social – “viralizar” é mais diagnosticado como sucesso significativo do que se tornar virtuoso; nós escolhemos com prazer a fama que sucede a fé necessária.

Quanto mais alto subimos essa escada – quanto mais profunda nossa devoção a esse mito sobre ser o herói amado cresce – mais devastadora são as consequências do fracasso. Mais visceral e destruidora de alma são as consequências de permanecer desconhecido. Gordura corpórea, salário mínimo, sem estabilidade financeira a longo prazo, rejeição das mulheres, reprovação dos  homens mais velhos, estes são grilhões inquebráveis que nos acorrentam a autodepreciação.

Nossa iniquidade quebra a ilusão de nosso controle farisaico; nossas falhas esmagam nossas fantasias de força. Como homens, nós temos dado toda a razão ao mundo para nos menosprezar e, ao mesmo tempo, somos supridos como cada recurso imaginável para nos distrair de nós mesmos – distrações estas que nos impulsionam mais profundamente ao nosso ódio.

Quatro de Cinco Suicídios

De acordo com o estudo mais recente em larga escala pelo Centro para Controle de Doença, 78% de Americanos que se mataram são homens. (É também notório que o suicídio é a segunda principal causa de morte entre a população.)

Por que tantos homens estão se matando?

Bullying entre colegas é a principal causa de suicídios entre estudantes no ensino médio. Mas podemos presumir que auto bullying é a principal causa de suicídio entre homens de vinte e poucos anos. Estamos batendo com a cabeça na parede e não temos ideia como lidar: sentimos-nos como fracassados. As emoções tomam controle. O desespero nos atinge como uma pedra em nosso estômago, como botas de concreto sugando-nos em direção ao que sentimos ser nosso fim inevitável. “Não conseguirei”.

” Desânimo, laçado com um senso fatal de nossa própria miséria – de nosso próprio merecimento de ódio: “Estúpido.” “Feio.” “Preguiçoso.” “Idiota.”

Talvez Deus irá salvar-nos da eterna condenação, mas pode nos salvar de nós mesmos agora?

Oração pelo desespero

Homens, vocês permitiriam-me falar a Deus por nós? Vocês chegariam ao trono dEle comigo – como heróis aspirantes, como falhas, como aqueles tentados com a ideia de que uma bala é um alívio maior do que qualquer graça que Deus possa prover?

Senhor, disseste-nos uma das coisas mais difícil de que poderíamos escutar: que não somos forçados a puxar nenhum gatilho. A morte chama-nos apenas ao invadir nossa memória de Tua bondade:

“Não te lembraste da Rocha da tua fortaleza… no dia da angústia e das dores incuráveis (Isaías 17:10–11).

Dor Incurável. Como você poderia possivelmente fazer as nossas falhas nos tornar homens mais agradáveis? Como poderia nos libertar das distrações envolventes as quais nos entorpecem até as dores daquelas falhas?

És estranho com nossa rejeição? Você sabe o que é saber que se as pessoas assistissem a nossas vidas diárias, nossos momentos secretos, que se elas escrevessem artigos de como nós somos patéticos e imaturos “meninos-homem”?

“Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.” (Isaías 53:3)

Desprezado. Rejeitado. Homens escondem seus rostos de você. Odiado. Feio. Tudo bem. Talvez você saiba um pouco. Mas você não sabe o que é sentir o peso da rejeição de Deus combinada a essa rejeição. Você não sabe o que é para Deus te odiar.

Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido… Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado” (Isaías 53:4, 10).

Você sabe como é. Mas pode parar esse sofrimento? Eu preciso que essa dor, esse desespero pare. Você pode fazer isso de alguma forma suportável? Se eu sobreviver eu preciso que minha vida melhore. Preciso ser amado. Preciso encontrar consolo.

“Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito… mas ele levou sobre si o pecado de muitos, e intercedeu pelos transgressores” (Isaías 53:11-12).

Você está falando com o Pai sobre mim? Você lidou com minha culpa? Você não conta minhas falhas como a palavra final em minha identidade. Você quer que eu fique. Você quer que eu fique satisfeito com você.

Isso parece tão difícil. Impossível, na verdade. Essa satisfação da qual você fala é real? Mesmo se for real, é viável? Há alguma defesa contra dentes afiados que silenciosamente trituram minha alma, drenam meu senso de propósito, dizendo-me que todos estariam melhores sem mim? O que você poderia possivelmente dizer? Minhas realidades são insolúveis.

“Canta alegremente, ó estéril, que não deste à luz; rompe em cântico, e exclama com alegria… Porque o Senhor te chamou como a mulher desamparada e triste de espírito… Por um breve momento te deixei, mas com grandes misericórdias te recolherei… escondi a minha face de ti por um momento; mas com benignidade eterna me compadecerei de ti, diz o Senhor, o teu Redentor.” (Isaías 54:1,6-8)

Senhor, faça isso real para mim. Faça tua redenção real para mim. Faça tua compaixão real para mim. Acalme as emoções que frequentemente me cansam. Eu sinto que não estou controlando. Preciso de tua ajuda. Eu preciso de algo sustentável

“Tu, oprimida, arrojada com a tormenta e desconsolada, eis que eu assentarei as tuas pedras com todo o ornamento, e te fundarei sobre as safiras… Eis que seguramente poderão vir a juntar-se contra ti, mas não será por mim; quem se ajuntar contra ti cairá por causa de ti” (Isaías 54:11,15).

Mas as vozes são tão altas. Todos pensam que sou um erro. Todos me odeiam. Ninguém acredita em mim. O pecado é tão pesado para mim. O arrependimento promete assombrar-me para sempre.

“Toda a ferramenta preparada contra ti não prosperará, e toda a língua que se levantar contra ti em juízo tu a condenarás; esta é a herança dos servos do Senhor, e a sua justiça que de mim procede, diz o Senhor” (Isaías 54:17).

 

Amém.

O que Deus diz?

Isaías 53 acabou. E Isaías 54 terminou. Mas a dor permanence. O teu desejo de acabar com o sofrimento através do suicídio parece implacável? Deus é implacável. Há um Isaías 55. E 56. E 66. E a crucificação. E a ressurreição. E uma igreja que traiu e abandonou a Deus. E uma igreja que Deus empodera e vivifica mesmo depois de desesperada. E então, há mais sofrimento. E depois há mais descanso. E assim por diante. A vida se passa em temporadas – às vezes, temporadas longas para nós. Mas não são muito longas para Deus. Isso passará.

Isso tem se prolongado por anos? Talvez esteja na tua volta final. Para cada voz que vem contra você. “Você deve refutar toda língua que se levanta contra você em julgamento”. Nenhuma mulher ou pai poderia dar-te esse poder – eles não são maus; eles estavam no lugar errado para procurar lutar contra essas vozes para começar. Nenhuma fama ou aprovação romântica ou avanço profissional pode expressar-se até hoje de uma maneira que atenda nossa dor existencial. “Terei compaixão de você”, e, “Está justificado em mim.”

Fique aqui na terra comigo. Nossas vidas não tem que ser meramente uma série de tentativas para sermos Bruce Wayne. Vamos trabalhar na Starbucks e correr os riscos de servir a Deus e o vizinho que não evolui perfeitamente, e tomar decisões que podem nos fracassar aos olhos dos outros. Mas vamos viver vidas que escuta o que Deus diz em nossos ouvidos enquanto nos abraça: “Muito bem, servo bom e fiel”. Vamos buscar suficientemente nessa voz.

Vamos esquecer os jargões do tipo “Homens querem ser ele e as mulheres querem estar com ele.” Muito do poder do suicídio que nos controla reside em nossa crença que essa é a melhor coisa que alguém poderia dizer sobre nós. Não é. Deus é implacável porque nos ama. Mais implacável que nossa mania. Mais implacável que nossas neuroses. Mais implacável que nossas falhas.

Vamos permanecer na única promessa que podemos nos agarrar: A vida se passa em estações e não importa com o que elas se pareçam ou o quanto demorem, Deus está lutando por nós na imundice. Ele está lutando com nós na feiúra. Ele tem atravessado a escuridão conosco. Nos libertará.

Vamos ficar!

Texto de Paul Maxwell

Traduzido e adaptado por: Simone Giovanetti

Fonte: http://www.desiringgod.org/

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2016 Evangelho Inegociável | porAgente Host.
Topo
Siga-nos:             
error: Content is protected !!