Bajuladores- Alimentadores do Ego

O que repreende o homem gozará depois mais amizade do que aquele que lisonjeia com a língua. ’’ (Provérbios 28:23)

O livro de Provérbios apresenta ensinamentos que considero “atemporais”. Riquíssimas ilustrações e princípios podem ser absorvidos e praticados, lendo estes preceitos.

No versículo supracitado, podemos compreender uma realidade severa, presente em nossa sociedade, e infelizmente, crescente dentro do ambiente cristão.

Há uma espécie de “clubismo” no meio cristão, que não consigo ver com bons olhos quando tratamos da realidade de que se somos servos, pelo óbvio, deveríamos servir. De forma aberta, para você participar de certo circuito teológico, se faz necessário bajular determinada pessoa. Se você quiser ser “bem visto” por determinados pastores, precisa atender certos “requisitos”. Para conseguir acesso a certas pessoas, precisa “agradar” outras pessoas com acesso a estes, e assim vai.

O grande problema da superficialidade desse tipo relação é que, com o fim de alcançar os supostos “benefícios”, muitos bajuladores têm feito seu papel nocivo no cenário cristão, alimentando egos e agindo de forma desonesta com o Evangelho e com o ambiente que os cercam.

Mais triste ainda constatar que muitos “líderes” cristãos gostam de ser bajulados. Muitos têm inclusive a necessidade de ser aceito e idolatrado. E a contrapartida é que muitos estão aí, fazendo esse trabalho imundo, de alimentar o ego, que por consequência, alimenta as piores deformidades da alma, e que impede que o “bajulado” tenha uma consciência real acerca de si mesmo.

Não quero dizer que sou contra o elogio, nem demonizo quem de fato é merecedor de um elogio sincero. O ponto aqui é que, como cristãos, temos que ser honestos, e ninguém é passível apenas de elogios. Principalmente, se esses elogios são feitos com objetivos de barganhar qualquer que seja o benefício.

Partindo deste ponto, proponho alguns pontos para reflexão acerca de quem pratica essa bajulação exagerada, quanto aquele que gosta de ser alimentado por essa ilusão medíocre, e que em nenhum ponto traduz o real sentido do Evangelho de Cristo.

Primeiro, para os que são bajuladores:

  1. Não alimente o ego de pessoas doentes:o problema dessa conduta é justamente a participação do erro. É a colaboração do efeito da causa e da consequência. Um ser humano que só recebe elogios e pensa que está cima do bem e do mal tende a humilhar o próximo, a querer mandar em todos ao seu redor e principalmente não saber lidar com um confronto. Essas posturas não refletem em nada o Evangelho de Cristo.
  2. Fins não justificam meios:se você tem o péssimo hábito de bajular quem quer que seja por conta de alguma vantagem, benefício, influência ou qualquer outra razão escusa, recomendo que releia o Evangelho. Perceba que não há NENHUMA referência bíblica que dê margem a esse tipo de conduta e pensamento. Na verdade, temos indicações reais do próprio Senhor Jesus, que desaprovava qualquer tipo de atitude semelhante. (Leia Mateus 20:21).
  3. Boas Intenções Não Isentam Responsabilidades:se você tem essa conduta e afirma que não faz isso por mal, recomendo que pense seriamente nas consequências de seus atos. O fato de estar bem-intencionado não valida sua atitude, pois a mesma continua sendo prejudicial a quem você está bajulando. Se você realmente quer o bem da pessoa que você bajula, leve em consideração o conselho de Provérbios, e saiba que a verdadeira amizade é aquela em que verdades amargas são ditas na relação.

E para aquele que gosta e tem a necessidade de ser bajulado:

  1. Se converta:Se você alimenta diretamente ou indiretamente esse tipo de conduta dos outros, você realmente precisa se converter. Se você usufrui de qualquer tipo de “status” e entende de que por conta do que você faz você merece ser ovacionado, você realmente não conheceu o Evangelho. “Assim também vós, quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: ‘’Somos servos inúteis, porque fizemos somente o que devíamos fazer”. (Lucas 17:10). Ou seja, se você acha que faz algo, considere-se inútil. Se você entende que sua postura está correta, sendo bem sincero a você, você é desnecessário.
  2. Tenha maturidade:Não queira e nem permita algo que o próprio Senhor Jesus não quis. Saiba que amigos sinceros irão lhe falar verdades que podem até doer na sua alma, mas se o fazem, é porque realmente querem seu bem. A vida de um cristão maduro é pautada pelas adversidades que enfrenta face à realidade do cotidiano, primordialmente, pelas suas reações, que são condizentes com o Evangelho.
  3. Tenha consciência de si mesmo:Você é um pecador perdoado, como todos os outros. Você não está cima de ninguém. Se você faz qualquer coisa visando o Reino, você não faz mais do que sua obrigação. E nada do que você venha fazer mudará a realidade que sem a Graça Salvífica, você mereceria o inferno. Nunca se esqueça disso.

Concluo, pedindo a você que está lendo esse texto, que ore para que esse câncer maligno seja EXTIRPADO do meio da Igreja de Cristo, pois já é muito árduo conviver com esta realidade na sociedade, pior ainda, conviver com isso no ambiente cristão.

E se há em nós algum resquício de tais atitudes, que sejamos sinceros diante de Deus, para nos arrepender, pedir perdão, e seguir a caminhada cristã longe dessas mazelas terríveis.

Que o Senhor nos ajude a servi-Lo com integridade de caráter.

Em Cristo,

Marco Cicco

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2016 Evangelho Inegociável | porAgente Host.
Topo
Siga-nos:             
error: Content is protected !!