A Derrota de Satanás e a Salvação do Homem

Por que a Palavra se fez carne? Por que o Filho de Deus assumiu nossa natureza e habitou entre nós? O Senhor Jesus Cristo veio a este mundo como um homem, para que ele pudesse pisar a cabeça da serpente como a semente prometida da mulher (Hb 2:14;Gn 3:15).

Visto que aqueles que ele redime são de natureza humana, o Filho de Deus se tornou homem e assumiu nossa natureza. Ele se fez homem, e ficou sujeito a todas as tentações e enfermidades que devemos suportar, e até mesmo tornou-se sujeito à morte.

Estávamos sob sentença de morte por causa do pecado. A fim de suportar os nossos pecados e a ira, o juízo e a justiça de Deus por nós, para nos redimir, Cristo teve de se tornar um homem (1 Co 15:21), que poderia morrer como um pecador sob a lei. Deus não pode morrer, mas o Filho se fez carne e morreu em nosso lugar.

Satanás é chamado, “aquele que tinha poder da morte”, não porque ele tem poder para fazer qualquer coisa por conta própria, mas porque, como um verdugo, Deus lhe deu autonomia.

Satanás não pode matar nem destruir nada, nem ninguém, a não ser com a permissão de Deus. Mas Cristo destruiu o poder de Satanás sobre a cruz. Ele esmagou a cabeça da serpente e amarrou-o com a corrente de sua onipotência (Jo 11:25-26;Ap 20:1-6).

Mas qual foi o propósito de sua encarnação? Veja Hebreus 2:15: “E livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão.”

Para o incrédulo a morte é uma coisa horrível. Para o incrédulo, qualquer coisa que não seja a morte é misericórdia. Mas, para o crente, a morte é uma grande bênção. Por que Israel teria medo de atravessar o Jordão para a terra da promessa, com a arca de Deus diante deles?

O fato é que os crentes não morrem. Nosso Senhor disse: “Todo aquele que vive e crê em mim nunca morrerá.” Para os ímpios, a morte é a penalidade do pecado; Mas para o crente é apenas uma mudança de localização. A morte dos ímpios é a execução da justiça, mas para o crente é uma libertação do pecado. Para o mundo a morte é o início das dores, mas para o crente é admissão na glória.

Cristo é o Salvador que precisamos.

Por que o Filho de Deus se tornou um de nós? Por que o Senhor da Glória se tornou um homem de dores? O Senhor Jesus Cristo veio aqui em carne e sangue, viveu, morreu e ressuscitou como homem, assim como nós, para que ele pudesse ser o Salvador que precisamos (v. 17-18).

Não havia outra maneira de Cristo nos salvar.

Se não tivesse se tornado um homem, não teria nada a oferecer como sacrifício pelo pecado, nenhum corpo para sofrer, nenhuma vida para dar, e nem sangue para derramar (Hb 9: 11-12).

Se ele não se tornasse homem, para obedecer a lei de Deus por nós, ele não seria a nossa justiça na corte do céu (Rm 5:19).

Veja Hebreus 2:18: “Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados”.

O Senhor Jesus foi tentado em todas as coisas. Ele sofreu. ele teve fome. Ele teve sede. Ele foi desprezado. Por isso, ele é capaz de nos ajudar em nossas fraquezas (1 Co 10:13).

Por isso o único caminho pelo qual escapamos de toda provação e tentação é por meio de Cristo, nosso grande Salvador. O que mais posso dizer? Ele é tudo!

Soli Deo Gloria

Fábio Falcão

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2016 Evangelho Inegociável | porAgente Host.
Topo
Siga-nos:             
error: Content is protected !!